Você me tira uma noite de sono, mas não tira os meus sonhos. Você tira a minha a sanidade, mas não me tira a meta. Você me tira o que há de mais bonito, mas não me tira os olhos. Você me tira a realidade, mas não me tira a consciência. Você tira os meus dias, mas não tira minha vida. Você tira um dia para me encher o saco, mas não tira um dia longe de mim. Você tira um sarro das minhas manias, mas não sobrevive sem elas. Você tira minha paciência, mas não tira a minha educação. Por obséquio, se retire. Você tira a minha mesmice, mas não tira a minha alegria. Você tira as minhas palavras, mas até hoje, a maioria das textos são para você. Você me tira a existência, mas não me tira a vida. Você me tira a alegria, mas não tira a mania que eu tenho de me alegrar. Você me tira a saudade, e sempre recompõe-a mais um pouco. Você me tira o chão, mas não me tira as asas. Você me tira a vontade, mas não me tira a esperança. Você tira o sofá da parede, a estante e a televisão da outra, mas não me tira a casa. Você me tira a felicidade, mas não me tira o dom de recompô-la assim que você sai. Você me tira o perdão, mas não me tira a gratidão. Você me tira as lembranças boas e só deixa as ruins, mas não me tira a raiva. Você me tira uma música boa, mas não me tira para dançar. Você me tira desse lugar, mas me leva em um pior ainda. Você me tira o silêncio, mas não tira os pensamentos. Você me tira da sua vida, mas esquece de me tirar da memória. Você me tira da sua casa, mas me mantem no porta-retrato. Você me tira do plano de fundo do seu celular, mas não exclui as mensagens que mandei. Você me tira o brilho, mas não tira a foto salva de nós dois. Você me tira para qualquer coisa, mas não me tira para o seu tudo. Você me tira o perfume, mas não me tira as flores. Você me tira a direção, mas não me tira as estrelas. Você me tira o calor, mas não me tira o sol. Você me tira o frio, mas não me tira o cobertor. Você me tira a tolerância, mas não me tira o “contar até 10”. Você em tira o rumo, mas eu sei que é para frente. Você me tira os pés, mas não me tira as mãos. Você me tira o dinheiro, mas não me tira a inteligência. Você me tira dos seus contatos, mas não me tira do facebook. Você me tira de perto de você, mas não me tira dos seus versinhos. Você me tira dos seus assuntos, mas não me tira dos seus sonhos. Você me tira a vida, mas não tira a mania de ressuscitar. Você me tira as cores, mas não me tira as tintas. Você me tira a sombra, mas não me tira a água fresca. Você me tira da sua música preferida, mas não me tira da que você gostava antes de ontem, Você não me tira. Você não me tira para ser, estar e dançar. Você me tira de mim, mas não me tira por inteiro. Você me tira da foto que você mais gosta, mas não exclui a original. Você me tira dos seus dias, mas não acrescenta ninguém melhor que eu. Você me tira da cabeça, mas não me tira do coração.

Alugue Felicidade. 
via source
via source
via source

se a pessoa é feliz sem você, seja feliz sem ela.

via source

O tempo vai passando e você vai perdendo pessoas e ganhando memórias.

Thiago Polycarpo.
via source

Ele pode estar olhando tuas fotos neste exato momento. Por que não? Passou-se muito tempo, detalhes se perderam. E daí? Pode ser que ele faça as mesmas coisas que você faz escondida, sem deixar rastro nem pistas. Talvez, ele passa a mão na barba mal feita e sinta saudade do quanto você gostava disso. Ou percorra trajetos que eram teus, na tentativa de não deixar que você se disperse das lembranças. As boas. Por escolha ou fatalidade, pouco importa, ele pode pensar em você. Todos os dias. E, ainda assim, preferir o silêncio. Ele pode reler teus bilhetes, procurar o teu cheiro em outros cheiros. Ele pode ouvir as tuas músicas, procurar a tua voz em outras vozes. Quem nos faz falta, acerta o coração como um vento súbito que entra pela janela aberta. Não há escape. Talvez, ele perceba que você faz falta e diferença, de alguma forma, numa noite fria. Você não sabe. Ele pode ser o cara com quem passará aquele tão sonhado verão em Paris. Talvez, ele volte. Ou não.

Caio Fernando Abreu. 
via source

Eu conhecia a saudade pelo saber empírico das pessoas a minha volta, e antes disso, não me lembro nem ter sabido descrever-la sob ponto de vista intelectual e científico. Saudade não é uma palavra bonita, tal como despedida não é.

Sam Nascimento, La vida passe - Norton.
via

Palavras com valor de carinhos, beijos e abraços.

Giuliana Perugini.
via

Parta o coração dele, que eu parto a sua cara.

Alguém muito especial.
via

E se hoje te perguntarem se você já me amou algum dia, você irá engolir em seco. Por que na dúvida, o melhor é dizer não. Já que os objetivos agora, são outros. Se te perguntarem isso, ficarão claros os sinais de que você está mentindo, mas você não dará o braço a torcer e negará até o fim, que um dia já me amou. As palavras, tanto ditas, como escritas, os gestos e o carinho, hoje já não posso mais confiar. Já não posso ler ou reviver, pois sei que era mentira. Não sei nem se consigo me iludir, por que o encanto quebrou-se e foi, de uma maneira arruinadora, por água abaixo. Você me tinha na palma de sua mão. Me conhecia como a palma de sua mão. Você sabia como me manipular e como me deixar levar por todas as baboseiras que dizia para mim. Eu pensei, que ia te perder, que ia te esquecer, mas não. Depois de todo o acontecimento, você faz questão de cutucar a ferida, mesmo eu já estando acabada e dada por vencida. Você faz questão de reviver, de falar de tocar em todo o assunto de todo aquele passado que nós tivemos. Juntos. E que para você não tinha nenhum valor e que para mim significou tanto… Você falava com tanta facilidade sobre nós dois e falava tão ciente do que estava dizendo quando falava o quão grande era seu amor por mim. E eu quieta, sem palavras, sem expressar nenhuma emoção, sem falar para ninguém o quanto gostava de você. Eu estava feliz, isso todos podiam ver. Em meu olhar, em meus sorrisos, minhas risadas, verdadeiras como nunca. Ninguém sabe o poder de uma paixão, ela te faz rir, te faz gargalhar, te faz sentir bem como nunca. Te faz sorrir de uma maneira diferente. Te faz agir de uma maneira diferente. Mas a pior parte, é que te faz sofrer. É que te faz pensar naquela pessoa, mesmo sabendo que aquela pessoa já não pensa mais em você. Mesmo sabendo que a pessoa não dá a mínima para você e que tudo aquilo que um dia era mágico, hoje já não faz mais sentido. Perdeu o encanto.Perdeu o sentimento e até mesmo o respeito. O respeito que eu perdi que hoje, me faz nem olhar direto nos seus olhos, que quando penetram em mim, me fazem pensar em tudo que passamos juntos, nós dois. Só nós dois. E pensar que um dia foi assim…

Giovana Sbardelotto (wewillbe-forever
via source